Brasil

Racismo e transfobia provocam indignação nas Indústrias Nucleares do Brasil em Resende

O vice-presidente do Sindicato dos Mineradores de Brumado e Microrregião, Lucas Mendonça, acaba de formalizar denúncia de racismo e transfobia contra uma chefia da Gerência de Comunicação Institucional da Indústrias Nucleares do Brasil (INB), junto à Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (DECRADIP) e ao Ministério Público do Rio de Janeiro.  “Negro e veado” traria “vergonha à empresa” foi a justificativa da funcionária para tentar adiar a contratação do profissional aprovado em concurso público.

A denúncia havia sido feita há cerca de 15 dias por funcionários que presenciaram as ofensas, inclusive negros, à Ouvidoria e ao Conselho de Ética, além da diretoria de finanças e administração, mas foi em vão.  Houve prevaricação, afirma Mendonça. Até o momento, segundo ele, o crime de racismo e transfobia vinha sendo mantido em sigilo pela empresa, mas já se tornou público entre os empregados que estão indignados.

O caso ocorreu dentro da Unidade da INB, em Resende, na Rodovia Presidente Dutra KM 330 – em Engenheiro Passos. Funcionários de Resende também registraram denúncia hoje na Delegacia de Polícia Local. Em Resende, a INB tem instalações de Enriquecimento de Urânio e de produção de elementos combustíveis para as usinas nucleares.

A convocação do analista de comunicação está em andamento. “O candidato havia feito contato com a empresa, visto que quando fez o concurso se inscreveu como gênero feminino e agora adotava o nome social de gênero masculino, sendo, portanto, transgênero”, informa a denúncia. A INB não se pronunciou.

 

Fonte: taniamalheiros-jornalista.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo