Queiroga admite ‘falha’ ao mostrar dedo a manifestantes em NY

Queiroga admite ‘falha’ ao mostrar dedo a manifestantes em NY

De volta ao Brasil, ministro falou sobre isolamento nos EUA, defendeu a vacinação e evitou falar sobre o próprio tratamento
No primeiro dia de trabalho após retornar de Nova York, onde participou da 76ª Assembleia-Geral da ONU e passou duas semanas em isolamento, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, admitiu ter errado ao mostrar o dedo a manifestantes contrários ao governo, evitou falar sobre o tratamento que fez para Covid e defendeu a vacinação da população. Durante 15 minutos de conversa nesta terça-feira (5), tempo não habitual para as declarações feitas por ele em frente ao ministério, Queiroga disse ainda que o cenário epidemiológico no Brasil é “cada vez mais satisfatório”.
Durante a passagem por Nova York, Queiroga afirmou que parte da hospedagem foi na casa de amigos. Ele estava acompanhado da esposa. No dia do retorno da comitiva ao Brasil, Queiroga foi diagnosticado com Covid. Ele disse que apresentou sintomas, como febre alta, no segundo dia após o diagnóstico. Foi perguntado a ele se havia usado cloroquina para o tratamento, mas Queiroga não quis falar sobre quais medicamentos foram prescritos pelo médico que o atendeu nos Estados Unidos, porém defendeu a vacinação.
“Sabemos que a forma de prevenção primária é por meio da vacinação e, no melhor cenário, a Covid-19 não vai acabar. As pessoas vão ter essa doença, e alguns casos graves vão ocorrer. O que se quer é buscar a forma de tratamento e interromper o ciclo da doença. No meu caso, fui atendido no primeiro dia. Fui medicado e a prescrição do meu médico é uma questão privativa. Mas, em algum momento, podemos falar sobre isso”, disse o ministro.

Sobre o episódio no qual foi flagrado apontando o dedo médio a um grupo de manifestantes em Nova York, ele disse que “todos somos seres humanos” e “falhas existirão”. “Há aquela parábola clássica bíblica: ‘Quem não tiver pecado, que atire a primeira pedra’. Sempre fazemos análises da maneira correta, do que podemos melhorar. É sempre um caminhar e avançar.”

Fonte: R7.com

Artigos relacionados