Caetité

Professora de Caetité preserva as origens e leva motivação e conhecimento para estudantes da zona rural

Formada em História, pela Uneb, Rita se dedica à formação na Educação do Campo e atua há 16 anos no Colégio Estadual do Campo Pedro Atanásio Garcia, no distrito de Maniaçu.

As aventuras ao ar livre faziam sua mente voar em um mundo rico, repleto de movimentos, sonhos e imaginação. Rita foi criada no campo, onde correr atrás de um carro de boi era divertido e se sentar na porta de casa para tomar aquele solzinho ou bater um dedo de prosa era mais um elemento da sua rotina. Filha do comerciante e produtor rural Valmir e da professora Maria de Lourdes, a garota era a irmã mais velha dos pequenos Júnior, Harley e Allan. Como a sua mãe trabalhava nos três turnos dando aula e seu pai tinha muitos afazeres no campo, Rita foi convidada a morar na casa do avô Bejo e da vó Tainha.

“Meus pais moravam no distrito de Maniaçu, ficava com eles nos fins de semana e de segunda a sexta, com os meus avós, em Caetité. E era um chamego só, até porque os meus outros avós, Jonas e Edite, moravam na mesma rua. Então, eu transitava entre o afeto dos quatro. Minha infância foi maravilhosa, rica de aventuras e brincadeiras, com muitos primos e vizinhos. Sempre tive meus familiares por perto e todos cuidavam de mim, ou melhor, de nós. Foi neste núcleo familiar, tão único e unido, que vivi e tive a segurança e o apoio para crescer como humana, garota, mulher, profissional, mãe de Sophia e João Antônio, esposa de João Fausto”.
Quando criança, Rita Malheiros estudou na Escola Estadual Senador Ovídio Teixeira. Depois, migrou para o Instituto de Educação Anísio Teixeira, onde já sabia que a área da Educação seria o seu caminho. “Fui cercada por bons exemplos de professores. Minha mãe é minha principal modelo. Ao lado das minhas tias, que também eram professoras, fui apresentada a este universo fantástico e fiquei encantada. Acompanhava as correções das tarefas de casa e os trabalhos escolares. Lembro que ajudava na impressão das atividades, passando o estêncil (tipo de papel) no mimeógrafo ou na máquina de datilografia. Quando minha mãe comprou um mimeógrafo, foi algo revolucionário e as outras professoras de Maniaçu iam para a nossa casa para reproduzir as provas. Era uma festa com muitas histórias regadas a um bom cafezinho feito no fogão à lenha. Sem dúvidas, foram momentos inesquecíveis”, recorda.
.Formada em História, pela Universidade do Estado da Bahia (Uneb), a professora Rita se dedica à formação na Educação do Campo e atua na rede estadual de ensino há 16 anos, no Colégio Estadual do Campo Pedro Atanásio Garcia, no distrito de Maniaçu. O local é cenário para um grande desafio: resgatar as tradições, as história e a cultura, atrelando-as ao conhecimento de um povo repleto de pluralidade.

Para a estudante Joyce Brito, a professora Rita é o “braço direito” da escola e dos alunos. “Sempre que precisamos, ela está pronta para ajudar. É uma pessoa acolhedora, amiga e uma excelente profissional. Neste ano, estamos com alguns projetos e ela faz de tudo para nos ajudar. Dá para perceber que ela se preocupa conosco e se esforça ao máximo para que tenhamos mais conhecimentos e aprendizados. Isso é lindo de se ver”.
Joseane dos Santos também estuda com a professora Rita e relata que conhecê-la mudou a sua vida. “Foi um divisor de águas: ela despertou a vontade em mim de adquirir conhecimentos e abriu meus olhos para que eu analisasse os acontecimentos sociais. Aprendi, ainda, a ter empatia pelo próximo. Sempre que realizamos algum estudo de campo ou participamos de reuniões que envolvem viagens e gastos financeiros, pró Rita se preocupa em identificar os alunos que desejam fazer, mas que não possuem condições financeiras, e ela tira do seu próprio bolso para ajudar. Sou imensamente grata por tudo que minha mestra proporcionou e a tantos outros alunos, dando a oportunidade para nós, estudantes da zona rural, de levarmos a nossa cultura e o conhecimento para fora dos muros da escola, alcançando até outros espaços”.

Fonte : Pedro Moraes / SEC-BA

Para cima