Oposição pede impeachment de Bolsonaro; governistas dizem que não há base legal

Oposição pede impeachment de Bolsonaro; governistas dizem que não há base legal

Partidos de oposição protocolaram mais um pedido de impeachment do presidente da República, Jair Bolsonaro. Os parlamentares alegam que ele cometeu crime de responsabilidade ao demitir o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, para usar as Forças Armadas politicamente. Segundo a oposição, Bolsonaro atentou contra as instituições republicanas e democráticas

Bolsonaro fez uma reforma ministerial nesta segunda-feira (29). As mudanças incluíram o Ministério da Defesa e os comandos das três Forças Armadas.

O líder da oposição, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), afirmou que é a troca na área militar não foi motivada por questões administrativas, mas pelo fato de o ex-comandante do Exército Edson Leal Pujol não ter se manifestado contra a decisão do Supremo Tribunal Federal de anular a condenação do ex-presidente Lula e devolver a ele os direitos políticos.

O líder da Minoria, deputado Marcelo Freixo (Psol-RJ), afirmou que Bolsonaro precisa ser afastado imediatamente, porque não respeita a Constituição. “As Forças Armadas não podem ser tratadas como milícias, esse tema é um tema que ele conhece bem, conhece de perto. Quero dizer que quem tem exército particular, quem tem “meu exército” é dono de milícia, e não chefe de estado”, afirmou Freixo.

“Pedido vazio”
O líder do PSL, deputado Vitor Hugo (PSL-GO), afirmou que não há base jurídica para o impeachment. Segundo ele, é um pedido vazio que não tem suporte na população nem no Parlamento. “É mais uma tentativa dentre outras que não frutificaram. O presidente segue firme salvando vidas e preservando empregos”, defendeu o líder.

O deputado Carlos Jordy (PSL-RJ) também criticou o pedido da oposição. Segundo Jordy, a oposição quer desgastar o governo criando um fato político sensacionalista, já que reforma ministerial é algo comum em qualquer governo.

“Pegam esse fato, aliado a questões da Covid, e sabemos que o presidente não tem nenhuma culpa, para protocolar novos pedidos. Todos serão arquivados porque não têm respaldo jurídico”, criticou Jordy.

Reportagem – Luiz Gustavo Xavier
Edição – Wilson Silveira

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Artigos relacionados