Bahia

Jerônimo lamenta que orçamento seja destinado a armas ao invés da educação: Infelizmente

"As armas que estão nas mãos de facções, em muitos casos, são mais potentes que as nossas"

 

O governador Jerônimo Rodrigues (PT) anunciou, nesta segunda-feira (11), o investimento em armas para fortalecer a segurança no estado e o aumento do efetivo policial para conter a onda de violência registrada na Bahia e, principalmente, em Salvador. Em entrevista à imprensa, o petista cobrou a colaboração de órgãos como Guarda Municipal para auxiliar no combate a violência e lamentou que um “pedaço” do orçamento seja destinado a aquisição de armamentos ao invés de investir na educação.

“É preciso que os homens que vão às ruas, que vão aos becos, que acompanham qualquer ação de drogas nesse estado possam também ter equipamento de proteção, ter armas. As armas que estão nas mãos de facções, em muitos casos, são mais potentes que as nossas. Felizmente por um lado, mas infelizmente por outro, eu, ao invés de construir mais escola, teatros e campo de futebol, de comprar mais livros e comida, tenho que tirar um pedaço do orçamento para comprar mais armas e viaturas, e eu farei isso”, afirmou Jerônimo na entrega de novas viaturas, em Salvador.

O chefe do Palácio de Ondina comunicou que serão chamados cerca de 700 militares da reserva até 5 de outubro e pontua que a ação é “um trabalho de reposição”. Sobre as denúncias da população sobre abordagens truculentas da polícia, o governador pontuou que não se pode “generalizar que todos os homens e mulheres que vestem a farda da polícia civil e militar tenham intencionalidade de fazer qualquer destrato com a população”.

“Eu serei um governador que pedirei, quando for preciso, a punição. Nós não podemos generalizar que todos os homens e mulheres que vestem a farda da polícia civil e militar tenham intencionalidade de fazer qualquer destrato com a população. Quando acontecer, a comissão de ética fará justiça. Nos próximos dias, entre todos os investimentos, em 5 de outubro nós vamos chamar mais de 700 homens e mulheres que estão na reserva, que serão melhoradas as gratificação financeira além dos salários”, diz.

“Isso é um trabalho de reposição. Nós temos homens e mulheres que, na idade, vão para a reserva. Nós temos alguns policiais que avançam nos estudos e querem fazer outra atividade. Vão sair 550 homens do administrativo que vão para atividade de rua e de campo. Estamos falando de 4.500 mil novos policiais até meados do ano que vem”, completa.

“Quando o município tem Guarda Municipal, [eles] são olhos pra gente, são parceiros nossos. Tudo isso nos ajuda dentro do efetivo da segurança pública”, finaliza.

Fonte: bahia.ba

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo