Brasil

Governo de SP aciona Justiça e diz que remoção compulsória de moradores em áreas de risco no litoral será feita ‘em último caso’

O governador de São PauloTarcísio de Freitas (Republicanos), disse nesta quarta-feira (22) que acionou a Justiça para conseguir autorização para retirar as famílias de casas que estão em áreas de risco no Litoral Norte.

Em entrevista coletiva nesta manhã, Tarcísio afirmou que o policiamento foi reforçado para ajudar no trabalho de convencimento e evitar saques nas casas.

“A gente está tendo uma dificuldade muito grande de convencimento. Ontem trouxemos 80 policiais do Choque para cá pra fazer policiamento e impedir saques. Hoje vão chegar mais 300 PMs pra reforçar a segurança e impedir saques. À noite nós ingressamos com uma ação na Justiça para que a Justiça nos permitisse fazer, em último caso, a remoção das pessoas que estão em residência em área de risco”, afirmou o governador.

Tarcísio também confirmou que o abastecimento de água foi 100% reestabelecido em São Sebastião. A informação havia sido divulgada mais cedo pela Sabesp.

Rio-Santos

 

Equipes da Defesa Civil vão fazer buscas nesta quarta-feira (22) no ponto de bloqueio total da Rio-Santos, na altura da Praia Preta, onde há carros soterrados, segundo informou o tenente-coronel Hengel Ricardo, responsável pelas operações no Litoral Norte, em entrevista ao Bom Dia SP.

“Ainda estamos com o ponto de interrupção na Praia Preta, em Juquehy. Estamos mandando uma equipe de busca hoje porque há carro soterrado nessa região. Tem a preocupação se ainda está com vitima lá, muitas vezes pode ter sido surpreendido na hora que estava passando pela estrada”, explicou o tenente-coronel.

O balanço da Defesa Civil aponta 48 mortes (47 em São Sebastião e uma em Ubatuba).

38 pessoas estão desaparecidas, segundo o governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas. Mais cedo, porém, o tenente-coronel Hengel Ricardo, coordenador da Defesa Civil estadual, afirmou que eram 57.

“Esse numero de desaparecidos pode flutuar, pode ser que a gente encontre mais gente, menos gente”, afirma Tarcísio.

Os trabalhos acontecem especialmente em bairros da costa sul da cidade de São Sebastião, como a Vila do Sahy, área que concentra a maioria das vítimas da tragédia, e Juquehy.

Segundo o tenente, são dois pontos primordiais: Vila do Sahy, onde foram encontradas a maioria das vitimas, cerca de 50 casas soterradas nessa região. E também no bairro pantanal, em Juquehy.

“Uma família que está soterrada lá, um casal e uma criança que estão soterradas”, explicou o tenente-coronel. Nesses locais, ele destaque que o trabalho é manual e precisa ser ‘cirúrgico’.

“Como a gente já tem a localização de onde estão, não é indicado entrar com máquina pesada.” disse.

“Maquinário é muito agressivo para trabalho de busca, que precisa ser manual e bastante cirúrgico”, completou.

Resgate

 

As buscas são feitas por bombeiros, agentes da Defesa Civil e os próprios moradores. No domingo, helicópteros da PM tiveram dificuldade para chegar nos pontos mais críticos devido ao mau tempo. O Exército enviou aeronaves para ajudar nos trabalhos. A operação envolve mais de 600 pessoas.

Fonte:G1

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo