Festas de fim de ano fazem casos de covid disparar em SP, Rio, Bahia, Minas e Pernambuco

Festas de fim de ano fazem casos de covid disparar em SP, Rio, Bahia, Minas e Pernambuco

O Brasil notificou 27,5 mil novos casos de covid-19 nesta quarta-feira, 5, elevando a média móvel de testes positivos nos últimos sete dias para 12,3 mil. O novo índice representa um aumento de 318% em relação ao registrado há exatas duas semanas e acende o alerta de especialistas e gestores que, preocupados com as aglomerações nas festas de fim de ano e o surto de influenza que atravessa o País, temem uma sobrecarga dos sistemas públicos de atenção primária à saúde.

Os Estados com as maiores populações do País têm registrado aumento de infecções e internações por covid-19 e influenza. São os casos de São Paulo, Rio, Pernambuco, Bahia, Rio Grande do Sul e Minas Gerais. Em alguns locais, já há fila por vaga em UTI.

Não bastassem duas variantes altamente transmissíveis de covid (Ômicron) e influenza (H3N2, batizada Darwin), o ataque hacker às plataformas do Ministério da Saúde no final de novembro ainda reverbera no apagão de informações primordiais para o desenvolvimento de políticas públicas. É o caso do Sistema de Vigilância Epidemiológica da Gripe (SIVEP-Gripe), que retomou as notificações, mas ainda não restabeleceu o acesso aos dados abertos de internações por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), referentes em sua maioria à gripe e ao coronavírus.

“Como não há nenhum acesso a esses dados completos, ficamos completamente de mãos atadas e olhos vendados. Dependemos muito dos sistemas locais de cada município, o que torna tudo mais difícil para avaliar o cenário nacional”, explica Marcelo Gomes, coordenador do Infogripe, da Fiocruz, e pesquisador em Saúde Pública.

Apenas em São Paulo, a média móvel de hospitalizações diárias por SRAG mais que dobrou no último mês, chegando a 566 pacientes de covid ou influenza na última terça-feira. Já nesta quarta, outros quase 3 mil casos de coronavírus foram registrados no Estado, um indicativo de que o índice pode aumentar ainda mais nos próximos dias.
Apesar de alarmante, a situação configura uma crise menor do que as duas primeiras ondas de covid que lotaram leitos de UTI pelo País em 2020 e 2021. No Rio, a taxa de ocupação das enfermarias na rede estadual está em 8%, enquanto a de UTIs Covid-19 é 9,7%. Nas unidades municipais há 24 pessoas internadas pela doença.

O Distrito Federal, que já considera ter transmissão comunitária da variante Ômicron, também espera maior procura pelos sistemas de atendimento primário à saúde e “total relação com o rechaço das festividades de fim de ano”, mas descarta, pelo menos por ora, impacto nas mortes e internações, que ocupam apenas 47% dos leitos de UTI-Covid. A média diária de testes positivos para o coronavírus, entretanto, saltou de 65 para 365 entre dezembro e janeiro.
“A transmissão da Ômicron tem provocado um crescimento exponencial nos casos, mas não repercutirá nas internações hospitalares ou óbitos, que não sofreram nenhuma mudança de padrão”, observa Fernando Erick Damasceno, secretário-adjunto de Saúde. “Já prevíamos esse aumento há mais ou menos um mês e meio. A pressão vai ser na porta de emergência e para quadros leves. Mas não é por ser gripe que seja algo banal. É fundamental estar vacinado, principalmente pela covid.”

O Rio Grande do Sul, que passa por cenário similar e teve aumento de 740% na média diária de novos casos registrados nas duas últimas semanas, também segue a tendência de casos leves, com a maioria dos casos expressando sintomas como febre e mal estar. “Felizmente, por enquanto, não temos aumentos importantes de internação, nem em UTI e nem em leito clínico. Mas a lógica da doença é que mesmo com uma complexidade menor, ainda temos pessoas não vacinadas”, avalia Ana Costa, secretária-adjunta de Saúde do Rio Grande do Sul.
“Existe uma combinação de fatores, na qual também está o represamento de dados. Temos uma variante rápida no nível de transmissão (Ômicron), um momento de circulação muito grande pelas férias e festas de fim de ano, além de a vacina não barrar esse tipo específico da influenza”, explica.

Em Pernambuco, a preocupação vem do aumento expressivo na procura de unidades de saúde em praticamente todos os municípios. De acordo com dados oficiais divulgados na terça, 265 pessoas com doenças respiratórias graves aguardavam vagas de UTI e de enfermaria na rede pública. O tempo médio de espera para um leito pode variar de dois dias a uma semana.

Em nota, a Secretaria de Saúde informou que “é importante afirmar que a lista é muito dinâmica pois a quantidade de leitos vagos se renova a todo momento, devido às altas médicas, óbitos e à abertura de novas vagas”. Ainda no fim do ano passado, o secretário estadual, André Longo, afirmou que Pernambuco vivia uma “epidemia de H3N2 dentro da pandemia de covid-19”.

Fonte: João Ker/Estadão Conteúdo / Foto: Josué Damascena/Arquivo/Fiocruz

Artigos relacionados