Bahia

Famílias cobram debate sobre exploração mineral em Licínio de Almeida

 

Há mais de um mês, moradores das comunidades impactadas pela mineração em Licínio de Almeida, a 148 km de Brumado, ocupam trecho da BA-156 para reivindicar a necessidade de um debate público sobre a atividade mineral desenvolvida no município. Em protesto, cerca de 200 manifestantes participaram de uma caminhada pacífica na cidade, no dia 24 de outubro, a qual culminou em uma paralisação de 30 horas da Ferrovia Centro Atlântica. Nesta, foram realizadas uma assembleia popular e atividades culturais com alunos da Escola Família Agrícola. Apesar dos apelos, a mineradora não abriu qualquer frente de diálogo com os moradores. Além de cobrarem respostas sobre os impactos sentidos no processo extrativo do minério de ferro pela Bahia Mineração (Bamin), os moradores se sentem afetados pela falta de segurança hídrica, pela ameaça às nascentes da região, contaminação do ar com o pó de minério de ferro e a ameaça econômica aos agricultores familiares. Como resultado da manifestação, a prefeitura comprometeu-se a iniciar a abertura do processo de audiência pública. A Promotoria Regional de Meio Ambiente também aceitou a denúncia de crime ambiental da Bamin no que diz respeito ao uso de água potável para lavar estradas. A manifestação, que permanece na rodovia, conta com o apoio do Movimento pela Soberania Popular na Mineração (MAM), da Comissão Pastoral da Terra, Cáritas e de associações comunitárias, além do apoio de diversos movimentos sociais e sindicatos.

Fonte: Achei Sudoeste

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo