Brasil

Eleitores não votarão duas vezes no projeto-piloto com biometria do Teste de Integridade das Urnas Eletrônicas

 

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Alexandre de Moraes, explicou como será o procedimento do projeto-piloto com biometria do Teste de Integridade das Urnas Eletrônicas no dia das Eleições 2022. Ele discursou à imprensa na última quinta-feira (15), na sede do TSE, pouco antes da realização da primeira simulação do projeto. E deixou claro que os eleitores não votarão duas vezes.

Confira o vídeo da simulação do Teste de Integridade com biometria.

Segundo esclareceu o presidente do TSE, os voluntários que, após votar, aceitarem o convite da Justiça Eleitoral para participar do Teste de Integridade da urna eletrônica somente posicionarão o dedo no leitor biométrico da urna selecionada para tal finalidade, a fim de liberar o equipamento para que auditores externos efetivamente façam a votação. Logo após, deverão deixar o local.

O Teste de Integridade das Urnas Eletrônicas não é novidade. O procedimento é idêntico em todas as eleições, desde quando foi implantado, há exatos 20 anos. “Salvo a questão da liberação da biometria, o restante do processo é absolutamente idêntico ao que acontece desde 2002”, garantiu o ministro.

Participação do eleitor

O secretário de Tecnologia da Informação do TSE, Julio Valente, apresentou às autoridades presentes e à imprensa que acompanhou o evento o passo a passo de todos os procedimentos que serão realizados no projeto-piloto com biometria do Teste de Integridade das Urnas Eletrônicas no dia da eleição.

Segundo o secretário, o caminho que o eleitor deverá percorrer caso opte por participar do Teste de Integridade com biometria será o seguinte:

  • O eleitor vai votar normalmente, na sua seção eleitoral;
  • Ao deixar a seção, o eleitor será abordado por um servidor da Justiça Eleitoral que fará um convite para participar do Teste de Integridade;
  • O eleitor que aceitar o convite será encaminhado à outra sala, no mesmo local de votação;
  • Nessa sala, será recebido por outro servidor público, que explicará o teste;
  • O eleitor, então, posicionará o dedo no leitor biométrico para identificação perante o mesário desta seção de testes e, imediatamente depois, deixará o recinto.

“O fluxo da seção eleitoral continuará normal, pois o projeto-piloto é feito em local específico, sem nenhum prejuízo do fluxo das pessoas em cada seção eleitoral”, destacou Moraes. “O eleitor não vota duas vezes para garantir o sigilo do seu voto”, acrescentou.

Votação simulada

Após o eleitor emprestar a sua biometria e deixar o local da simulação, a votação acontecerá por meio de cédulas pré-preenchidas por agentes de partidos políticos e instituições credenciadas, como OAB e Polícia Federal, entre outros. As cédulas em papel serão depositadas em uma urna de lona, e o mesmo auditor externo digitará o voto na urna eletrônica do local da simulação. Todo esse procedimento é filmado e auditado, a fim de confrontar os resultados na apuração.

Fonte: TSE

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo