Africana recusa emprego de juíza para criar ONG de socorro a jovens carentes

Africana recusa emprego de juíza para criar ONG de socorro a jovens carentes

Pode comemorar, porque o primeiro episódio do projeto Razões na África está no ar! Esse é o começo da nossa jornada para desconstruir o estereótipo negativo que as pessoas ainda carregam – mesmo que inconsciente – dos países africanos.

Você vai conhecer a história da Lusanda e sua Fábrica dos Sonhos (Dream Factory, no nome original). Tudo começou em 2011, quando ela e Laurian incentivavam jovens a escreverem seus sonhos em cartas nas escolas de Western Cape, África do Sul.

Antes de iniciar o projeto, Lusanda era advogada e até recebeu um convite para se tornar juíza, mas, em vez de seguir carreira, escolheu o caminho da filantropia, até então desconhecido por ela.
Uma linda inspiração!

As duas – Lusanda e Laurian – recebiam as cartas e cuidavam de tudo para que os jovens conseguissem realizar seus sonhos de alguma forma. Durante a construção da ONG, ambas viram de perto a realidade da falta de acesso à educação de qualidade, os altos níveis de desempregos ​​e a pobreza enfrentada pelos jovens na África do Sul.

A partir daí, decidiram impactar positivamente a vida dos adolescentes por meio de um programa que conecta os alunos a mentores, incorporando um senso de propósito e fornecendo oportunidades de empreendedorismo.

Uma das história mais especiais da Fábrica dos Sonhos é a do jovem Tomray, que tinha o sonho de ser rapper. Ao receber sua carta, Lusanda pediu para um dos mentores respondê-lo. Coincidentemente, ele também era rapper e, ao se encontrar com Tomray, carregou o garoto para um estúdio para gravar sua primeira música!
O grande objetivo da Fábrica de Sonhos é aproveitar o potencial dos jovens de 13 a 25 anos para que, no futuro, possam levar uma vida bem-sucedida e cheia de propósito, focando sempre na realização de seus sonhos.

Além disso, as atividades da ONG também incluem orientação profissional, tutoria acadêmica, acompanhamento de empregos e mentoria.

Os dados são surpreendentes! 😱

300 alunos por semana;
775% de aumento na frequência dos estudantes;
90% deles completam o programa.
“Os países africanos regrediram nos últimos cinco anos no acesso dos jovens à educação e formação que facilite o acesso a empregos.”

Esta informacao, de 2019, foi retirada da Fundação Mo Ibrahim. Mesmo que antiga, ela nos mostra o grande motivo pelo qual Lusanda e Laurian se tornaram exemplos de empatia e amor ao próximo ao idealizarem a Fábrica dos Sonhos.

O projeto é um dos diversos caminhos que existem para realçar o quanto a África do Sul é um lugar inspirador

Fonte : advogadodigitalbr

Artigos relacionados